Criatividade,  Emoções

Psicodélicos como potenciais catalisadores de criatividade e insight científicos

A criatividade, ou seja, a criação de ideias ou objetos considerados novos e valiosos, está entre os traços humanos mais importantes e valorizados e um aspecto fundamental das ciências. 

Sonhos e estados hipnagógicos têm sido altamente influentes na promoção da criatividade e percepção científica, contribuindo para alguns avanços científicos importantes. Fenomenologicamente, os últimos estados de consciência compartilham uma grande sobreposição com o estado psicodélico, que também tem sido associado à facilitação da criatividade científica em algumas ocasiões. 

O presente artigo propõe que os estados onírico, hipnagógico e psicodélico compartilham características comuns que os tornam propícios para apoiar alguns aspectos da criatividade científica e examina os supostos processos neurofenomenológicos e cognitivos subjacentes envolvidos. Além disso, algumas ocorrências notáveis ​​de insights científicos que emergiram desses tipos de estados alterados são revisadas e características comuns compartilhadas são apresentadas, fornecendo uma base para pesquisas futuras. 

O estado psicodélico pode ter suas próprias características que o tornam passível de aprimoramento da criatividade, como hiperconectividade cerebral, consciência metacognitiva, acesso a uma experiência de estado alterado mais confiável e sustentada e potencial para provocar mudanças sustentadas na abertura de traços. Serão avaliados os fatores contextuais que podem contribuir para o aprimoramento da criatividade e percepção científicas. Embora a pesquisa nessa área seja limitada, é necessário mais trabalho para elucidar como os psicodélicos podem contribuir melhor para o aprimoramento da criatividade científica.

“ A experiência mais bonita que podemos ter é a misteriosa. É a emoção fundamental que está no berço da verdadeira arte e da verdadeira ciência. Quem não sabe e não pode mais admirar, não mais se maravilhar, está praticamente morto, e seus olhos estão ofuscados. 

– Albert Einstein

Aspectos do pensamento criativo

A criatividade é considerada uma das características humanas mais importantes e valorizadas. 

É uma forma de cognição ubíqua e essencial ligada a todas as áreas do nosso quotidiano, permitindo-nos adaptar-nos a um ambiente em constante mudança e encontrar formas de resolver problemas.

 Embora a criatividade seja difícil de definir e medir, ela é considerada um domínio multidimensional, o que significa que a confiança em um único instrumento ou abordagem analítica será incapaz de capturar de forma abrangente sua natureza complexa e multifacetada. 

É um aspecto fundamental das ciências, desempenhando um papel central em importantes descobertas científicas. A criatividade tem sido definida como a “produção de uma ideia, ato ou objeto que é original e valorizado”, com vários pesquisadores convergindo para uma definição de criatividade como “a produção de novidade efetiva”. 

Essa definição também foi aplicada à criatividade em um contexto científico. 

Uma ideia criativa não pode ser gerada pelas regras genéricas aplicadas à formulação de uma ideia familiar, sugerindo que a criatividade depende de uma mudança conceitual no pensamento (Boden, 2004), sendo a novidade das ideias particularmente importante. 

Enquanto a criatividade científica e artística se sobrepõem, a criatividade científica tende a abranger a capacidade de resolver problemas e formular hipóteses, muitas vezes envolvendo uma expansão do conhecimento em um determinado domínio, enquanto a criatividade artística tende a se preocupar mais com a geração de novas representações da vida ou sentimentos, ou ações e ideias que buscam transformar os pensamentos, princípios e materiais do artista e de seu público.

 Além disso, há uma tendência de a criatividade científica ser mais focada e aplicada externamente, enquanto a criatividade artística pode ser mais orientada para a introspecção. A criatividade científica é amplamente relevante em todas as ciências, sendo “não limitada às ciências naturais e biológicas, mas incluída nas ciências sociais (ie antropologia, psicologia, sociologia), invenção, engenharia e matemática”.

Processos cognitivos fluidos e flexíveis são considerados fundamentais para a resolução de problemas e capacidade criativa, e podem englobar características como pensamento retrospectivo e futuro, enquanto contempla opções no momento presente, ou o que essas opções podem estar em diferentes cenários. Um estado mental tão dinâmico que muda entre diferentes modos de pensamento é um aspecto fundamental do pensamento criativo. 

Esses modos distintos de pensamento incluem o pensamento divergente (associado ao processo de geração de múltiplas soluções potenciais para um problema) e o pensamento convergente (associado ao processo de encontrar uma única solução concreta para um problema). O pensamento criativo também foi conceituado como pensamento analítico e sintético. O pensamento analítico está associado a quebrar um conceito em suas partes componentes enquanto busca sistematicamente uma única solução viável para um problema, enquanto rejeita ideias inadequadas, com o processo de pensamento ocorrendo em estágios incrementais.

 O pensamento sintético é um processo de pensamento mais dinâmico, associado à combinação de vários componentes em um todo coerente e à busca de padrões nessas partes componentes.

 O pensamento sintético tem sido associado à ocorrência de insight súbito , caracterizado por “uma reestruturação mental da informação adquirida, a partir da qual novos conhecimentos explícitos podem ser extraídos para a mente”. 

Um estado mental plástico e uma tensão dentro das estruturas de conhecimento foram propostos como pré-requisitos comuns da geração de insights (Tulver et al., 2021). Avanços na ciência geralmente ocorrem quando uma nova conexão é feita entre conceitos existentes anteriormente percebidos como distintos ou isolados.

 Exemplos incluem a teoria da relatividade geral de Albert Einstein, que demonstrou a ligação íntima entre gravidade, espaço e tempo, ou a teoria clássica da radiação eletromagnética de James Clerk Maxwell, que unificou luz, eletricidade e magnetismo como manifestações do mesmo fenômeno.

O processo criativo foi definido como ocorrendo em fases distintas, incluindo preparação, incubação, iluminação e verificação.

 A imaginação é considerada um aspecto importante da criatividade, considerada vital para a investigação e pesquisa científica por figuras científicas altamente influentes como Albert Einstein. 

A inspiração também constitui um aspecto ocasionalmente negligenciado da criatividade. O processo criativo tem sido associado ao acesso a estados inconscientes, em vez de se limitar ao pensamento consciente, como durante os devaneios, quando a mente tem maior probabilidade de vagar livre e fluidamente e sem censura. 

O físico Arkady Migdal descreveu o estado criativo como um estado liminar “onde a consciência e a inconsciência se misturam, quando o raciocínio consciente continua no sono e o trabalho subconsciente é feito na vigília”. 

O uso de visualização mental e imagens é considerado um aspecto chave da criatividade por numerosos luminares científicos. As abordagens imagéticas e de visualização podem trazer benefícios ao processo criativo, transcendendo as limitações e estruturas impostas pela linguagem e formas tradicionais de pensar. 

A relação das imagens com fontes externas também pode abrigar interações e inter-relações não totalmente suportadas pela linguagem, e as imagens podem ser mais sensíveis à intuição e manipulação. O processo de divagação mental tem sido associado à quebra da fixação (o processo de voltar às velhas ideias ao buscar novas) e à promoção da geração de insights.

 A divagação mental também foi conceituada como pensamento fluido que tem sido associado a um maior potencial de resolução criativa de problemas durante a fase de incubação do processo criativo. 

Argumentou-se que as ciências podem se beneficiar de uma maior aplicação desse estado mental de forma criativa, e de uma maior criatividade de forma mais ampla, e que facilitar o insight e a geração de novas ideias poderia ajudar no avanço científico.