Hiperconectividade
Cogumelos mágicos,  Criatividade,  Emoções

Cérebro hiperconectado? (Cogumelos Alucinógenos)

Os cogumelos alucinógenos ajudaram as pessoas com depressão a romper com padrões de pensamento rígidos e negativos, agora pense comigo, o que esses cogumelos são capazes de nos proporcionar na area da criação? Louco né?

A psilocibina, o composto alucinógeno encontrado em “cogumelos mágicos”, pode tratar a depressão criando um cérebro hiperconectado.

Ao aumentar a conectividade entre diferentes áreas do cérebro , o psicodélico pode ajudar as pessoas com depressão a romper com padrões de pensamento rígidos e negativos, diz novo estudo.

“Vemos a conectividade entre vários sistemas cerebrais aumentando dramaticamente”

Disse o primeiro autor Richard Daws, estudante de doutorado no Imperial College London.

Onde entra a criatividade?

A criatividade é uma capacidade cognitiva essencial ligada a todas as áreas do nosso funcionamento diário.

Sabendo disso, encontrar uma maneira de melhorá-lo é de amplo interesse não só de nós pesquisadores aqui da Cinefire, mas para todos os profissionais que trabalham de alguma forma com o setor criativo. 

Empreendedores do Vale do Silício, programadores de ponta, CEO’s e diversos alunos das maiores faculdades espalhadas pelo mundo, vem se aprofundando na pesquisa sobre microdosagem de psilocibina.

O hábito de ingerir micro doses de psicodélicos para ampliar a capacidade cerebral.

Um grande número de relatos anedóticos sugere que o consumo de drogas psicodélicas pode aumentar o pensamento criativo; no entanto. 

Após um projeto duplo-cego, controlado por placebo, de grupos paralelos, um estudo demonstrou que a psilocibina (0,17 mg/kg) induziu uma diferenciação de efeitos relacionados ao tempo e a construção no pensamento criativo. 

Agudamente, a psilocibina aumentou as classificações de insights criativos (espontâneos), enquanto diminuiu a criatividade baseada em tarefas (deliberada). Sete dias após o uso da psilocibina, o número de novas ideias aumentou. 

Ou seja, o desempenho de execultar tarefas reduziu sob os efeitos da psilocibina, mas, em contra partida

os insights criativos vieram com força total.

Quem nunca trabalhou por dias, semanas e quem sabe mêses de modo automático fazendo o famoso “Arroz com feijão”? Agilidade não significa qualidade, pessoas que dizem “Melhor feito, que bem feito” na maioria das vezes são pessoas preguiçosas e pouco criativa.

Mas voltando para o estudo em questão, eles utilizaram uma abordagem de imagem cerebral multidimensional de campo ultra-alto, e descobriram que os efeitos agudos e persistentes foram previstos pela conectividade dentro e entre a rede de modo padrão. 

As descobertas adicionam algum suporte às alegações históricas de que os psicodélicos podem influenciar aspectos do processo criativo, potencialmente indicando-os como uma ferramenta para investigar a criatividade e os mecanismos neurais subjacentes subsequentes.

A importância da criatividade (Sair do Modo Padrão)

A criatividade é uma capacidade cognitiva essencial ligada a todas as áreas da nossa vida quotidiana, permitindo-nos adaptar-nos a um ambiente em constante mudança e encontrar formas de resolver problemas. 

Embora indiscutivelmente difícil de definir, o processo criativo tem sido visto como um processo dinâmico, que requer deslocamento entre diferentes modos de pensamento para alcançar um resultado final. 

Esses modos incluem:

O pensamento divergente (DT)

Que consiste na geração de ideias novas e originais.

O pensamento convergente (TC)

A posterior avaliação das ideias geradas quanto à sua utilidade e eficácia. 

É importante ressaltar que, além de ser um processo essencial para o funcionamento cotidiano, a (in)capacidade de pensar “fora da caixa” também tem sido associada a distúrbios psicológicos, como depressão, estresse e ansiedade. 

Aqui, tem sido considerada tanto como um processo transdiagnóstico, ou seja, um fator de risco ou de manutenção compartilhado entre os transtornos, quanto como uma potencial intervenção terapêutica, promovendo interpretações adaptativas e estratégias de enfrentamento. Assim, em conjunto, encontrar uma maneira de aprimorar o pensamento criativo é de amplo interesse entre várias disciplinas, desde a indústria até a psicopatologia.

Ao longo dos anos, uma série de relatos anedóticos se acumularam sugerindo que o consumo de drogas psicodélicas agonistas da serotonina (5-HT) 2A, como dietilamida do ácido lisérgico (LSD), psilocibina e mescalina, pode aumentar a criatividade. 

Exemplos famosos de descobertas criativas afiliadas a psicodélicos abrangem os campos da ciência, tecnologia e arte; incluindo a descoberta da reação em cadeia da polimerase por Kary Mullis, a indústria de computadores da Califórnia dos anos 1960 e as obras literárias de autores como Aldous Huxley e Ken Kesey. 

Dito isto, embora tenha havido muito interesse histórico na capacidade dos psicodélicos de aumentar a capacidade criativa, a literatura científica é muito carente. Os estudos científicos iniciais sobre os efeitos dos psicodélicos na criatividade datam da década de 1950, e funcionaram até que as drogas fossem proibidas nos Estados Unidos no final da década de 1960.

Recentemente a renascença psicodélica ao redor do mundo e a discriminalização dos cogumelos mágicos iniciada por Denver no Colorado, posteriormente em Oregon que foi o primeiro estado a legalizar o uso terapêutico de alucinógenos com psilocibina, novos estudos estão iniciando ou simoplesmente dando continuidade.

É importante ressaltar que, se os psicodélicos podem mediar mudanças em dimensões específicas do processo criativo, eles podem ser usados ​​como uma ferramenta potencialmente nova para investigar esses processos, bem como os mecanismos neurais subjacentes. 

No que diz respeito à cognição criativa, pesquisas anteriores implicaram consistentemente na coordenação de três redes de estado de repouso (RSNs); a rede de modo padrão (DMN), sugerida para apoiar a geração de ideias, a rede de controle frontoparietal (FPN), apoiando a avaliação de ideias, e as áreas da rede de saliência (SN), sugeridas para facilitar a mudança entre o interno (DMN) e o externo ( redes cognitivas orientadas para FPN. 

Embora geralmente processos neurais opostos, o DMN e o FPN interagem durante a cognição criativa, sugerindo que uma mudança dinâmica entre essas redes facilita a mudança entre a geração de ideias e a avaliação ao longo do tempo. Recentemente, essa mudança entre estados dissociáveis ​​neurocognitivos foi ainda mais conceituada em uma nova teoria (a estrutura dinâmica do pensamento), sugerindo que o pensamento criativo é uma alternância entre estados com restrições cognitivas baixas (orientadas por DMN) a altas (orientadas por FPN), operando em informações mnemônicas da região temporal medial. 

Curiosamente, os autores incorporaram o estado psicodélico neste modelo, sugerindo que os psicodélicos representam um estado de cognição irrestrita, com evidências neurais decorrentes de estudos de imagem anteriores que sugerem que eles induzem agudamente um estado cerebral flexível, caracterizado por uma desintegração aguda da atividade normalmente altamente organizada dentro dos RSNs, ampliação simultânea de repertórios dinâmicos de estados de conectividade e aumento do acoplamento de RSNs que geralmente são anticorrelacionados. 

As alterações na conectividade também foram encontradas para durar mais do que o estágio agudo, com relatos de aumento da conectividade DMN dentro da rede 1 dia após a administração do medicamento, e aumento da conectividade entre redes até 1 mês após a administração do medicamento.

Resumindo: Os efeitos da psilocibina em nosso cérebro são notadas a longo prazo.

Informações do estudo

O presente estudo foi realizado entre julho de 2017 e junho de 2018 na Universidade de Maastricht, empregando um desenho balanceado, randomizado (1:1), controlado por placebo, duplo-cego e de grupos paralelos. 

Sessenta participantes saudáveis, com experiência anterior com uma droga psicodélica, mas não nos últimos 3 meses, foram alocados para uma condição de tratamento (0,17 mg/kg de psilocibina ou placebo, po). 

Os grupos foram pareados por idade, sexo e escolaridade. 

Os participantes visitaram o laboratório em três ocasiões distintas. 

A primeira visita incluiu uma familiarização com os procedimentos do dia do teste e a conclusão das tarefas de criatividade (linha de base). 

A segunda visita consistiu no dia formal do teste, com administração do tratamento (psilocibina ou placebo), fMRI e realização das tarefas de criatividade (aguda). 

O terceiro dia de teste ocorreu 7 dias após o dia de teste agudo e incluiu a conclusão final das tarefas de criatividade (acompanhamento).

Este estudo foi conduzido de acordo com o código de ética em experimentação humana estabelecido pela declaração de Helsinque (1964) e alterado em Fortaleza (Brasil, outubro de 2013) e de acordo com o Medical Research Envolving Human Subjects Act (WMO) e foi aprovado pelo Comitê de Ética Médica do Hospital Acadêmico e da Universidade. 

Todos os participantes foram totalmente informados de todos os procedimentos, possíveis reações adversas, direitos e responsabilidades legais, benefícios esperados e seu direito à rescisão voluntária sem consequências. Os presentes dados fazem parte de um ensaio clínico maior (Netherlands Trial Register: NTR6505) do qual partes foram publicadas anteriormente.